sexta-feira, 19 de junho de 2015

5 Histórias para Gostar do Homem de Ferro - Parte IV

Pois bem, após quase dois anos, estamos chegando ao fim dessa pequena e mal elaborada lista. Hoje, iremos voltar ainda mais no tempo, precisamente para 1970 - dois anos antes da história que ocupa a terceira posição desta série. Uma vez mais, a União Soviética é o grande inimigo da vez e, desta vez, vai ter um papel de destaque na...
A quarta parte sobre um dos herois mais populares da Marvel. (Divulgação)


2 - A Morte de Janice Cord ("The Replacement!" e "From This Conflict...Death!"):

Começou em: The Invincible Iron Man v1.#21 (Janeiro de 1970)

Terminou em: The Invincible Iron Man v1.#22  (Fevereiro de 1970)

Roteiro de: Archie Goodwin

Arte de: George Tuska

História: Bem, antes de começarmos, aqui vai um pouco de contextualização: Janice Cord era, na época, a namorada de Tony Stark. Tendo aparecido pela primeira vez na segunda edição desse volume - Junho de 1968 - Janice era filha de um empresário que, enlouquecido pelo fato de não ser capaz de superar Tony Stark, constrói um robô para tentar destruir seu adversário comercial e, de quebra, o seu guarda-costas - como era conhecido o Homem de Ferro na época. Durante o processo, porém, algo dá errado e o pai de Janice se sacrifica na tentativa de destruir sua criação e salvar os demais. Algum tempo depois, Janice retorna, com a intenção de vender a empresa de seu pai para seu "inimigo" - que também se culpa pela morte do mesmo - e, a partir daí, começa aquele que vai se tornar o relacionamento amoroso do Homem de Ferro daquele período.

Pois bem, findo esse pequeno parêntesis, vamos para a história propriamente dita.

Desde que passou por uma cirurgia destinada a recuperar o seu coração danificado - na edição 19 - um novo problema se afigurou para Tony Stark. Afinal, como explicado pelo responsável pela cirurgia, o tecido utilizado ainda se encontrava em fase experimental, de modo que não era possível determinar o que poderia acontecer com esse novo coração. A partir de então, passamos a ver um Homem de Ferro cada vez mais receoso de sair em ação, uma vez que os efeitos do estresse do trabalho podem acabar por lhe causar uma morte prematura. 

A situação chega a tal ponto que, após sofrer uma derrota pelas mãos do novo Dínamo Escarlate, o Vingador Dourado chega a conclusão que sua preocupação com a saúde está entrando em choque com seus deveres de herói. No entanto, ciente de que o mundo ainda precisa do Homem de Ferro, o empresário passa a procurar por alguém que possa atuar como seu substituto. Por meio de seu amigo - e ex-boxeador - Happy Hogan, Stark descobre um boxeador negro chamado Eddie March - conhecido nos ringues como Homem de Ferro. Assim, após explicar que o Homem de Ferro original não pode mais trabalhar devido ao fato de ter se ferido gravemente durante uma missão, Stark oferece o cargo à Eddie, que o aceita de imediato - mas sem revelar que ele próprio não deveria se envolver em mais confrontos devido à um coágulo em seu cérebro, algo que poderia facilmente matá-lo. Com tudo resolvido, Stark treina Eddie durante algum tempo e, uma vez acreditando que este se encontra pronto, deixa o boxeador no manto do herói enquanto parte para viver sua rotina sem maiores problemas.

Tudo parece correr bem até que uma denúncia anônima chega aos ouvidos de Stark que, acreditando que um velho inimigo do Homem de Ferro está sendo contrabandeado por um navio para dentro do país, resolve enviar Eddie para investigar. A dica, porém, fora enviada por Alex Niven - que a essa altura descobrimos ser o novo Dínamo - que buscava uma chance de se provar superior ao Vingador Dourado. Assim, quando Eddie March chega ao porto para realizar sua investigação, é atacado pelo vilão que busca, por sua vez, deter o carregamento para provar ser superior ao seu adversário. Logo em seguida, inicia-se um combate entre os dois. Nesse meio tempo, Stark descobre a verdade sobre a saúde de March e, desesperado, parte para ajudar o boxeador valendo-se da armadura original, que havia sido guardada para emergências.

A primeira parte dessa história termina com um Eddie March às portas da morte ainda tentando lutar contra o Dínamo.

Na continuação, vemos o desenlace desse confronto, com um Dínamo  uma vez mais vitorioso - desta vez, porém, menos por sua habilidade ou superioridade tecnológica, e mais devido ao coágulo de March. Stark consegue chegar pouco tempo depois, e, desesperado, leva o inconsciente lutador para o hospital mais próximo, onde este passa por uma cirurgia de vida ou morte. Enquanto isso, um amargurado Homem de Ferro pondera se foi ele o responsável pela situação de seu amigo - algo bastante comum nos quadrinhos durante os anos 60 e 70. Nesse meio tempo, descobrimos que o vilão contrabandeado para o país nada mais era do que o Homem de Titânio. A natureza de sua missão é simplesmente trazer de volta para a União Soviética o fugitivo Alex Niven - que, nesse meio tempo, não só foi descoberto por Janice Cord como sendo o novo Dínamo Escarlate, como também contou sobre sua história e o porquê de seu ódio pelo Homem de Ferro. Em resumo, Nevsky era discípulo de Anton Vanko, o Dínamo Escarlate original, e após a debanda deste, teve a carreira destruída e passou a nutrir um ódio mortal tanto pelo Homem de Ferro como por seu criador, Tony Stark.

Ao fim da história, o Homem de Titânio invade o laboratório de Nesvky, dando início à um confronto cujas consequências vão marcar o Vingador Dourado por muito tempo. Temendo pelo bem estar de Janice Cord, o Dínamo Escarlate tenta levá-la para longe do confronto, e é nessa hora que o Homem de Ferro - que foi informado do que acontecia ali por uma viatura da polícia - intervêm. Os dois, então, iniciam um novo confronto, sendo interrompidos por Janice. No entanto, antes que a moça possa explicar ao Cabeça de Lata o que está acontecendo o pequeno grupo é atacado pelo Homem de Titânio. O ataque do vilão derruba o Dínamo e mata Janice,  a única que se encontrava sem qualquer tipo de proteção. Furioso, o Homem de Ferro parte para um último confronto com o assassino, que termina com os dois caindo no mar - onde a pesada armadura do vilão termina por fazer com que ele morra afogado. Nesse meio tempo, o Dínamo  se recupera e, ao ver o corpo morto de Janice, jura vingança e desaparece na noite.

No fim da história, temos um Homem de Ferro completamente em frangalhos carregando o corpo sem vida da mulher amada.


Motivos para se ler:  O grande motivo pelo qual eu escolhi essa história se encontra no fato de o quão visionário essa história de Archie Goodwin é para a época. É verdade que Goodwin já deu mostras disso em edições anteriores - por exemplo o arco que engloba as edições 17-19, onde ele simplesmente dá início a tradição de heróis que perdem tudo - mas este arco é especial por dois motivos em particular.

Primeiro, ao matar a companheira do herói, Goodwin  antecede em três anos  um evento que seria um marco não só para a Marvel, como também para  a história dos quadrinhos. Afinal, em Junho/Julho de 1973, Gwen Stacy morre durante um confronto entre o Homem-Aranha e seu arqui-inimigo, o Duende Verde, na antológica história "A Noite Em Que Gwen Stacy Morreu" - que é considera tanto o marco final da Era de Prata dos quadrinhos, como também o marco inicial da Era de Bronze.

Em segundo lugar, temos não só uma outra pessoa assumindo o manto do Homem de Ferro, mas um negro fazendo isso. Ao fazer isso, Goodwin não só deu as bases de algo que viria a se tornar bastante comum futuramente - apesar de eu não ter certeza se ele foi ou não o primeiro a realizar tal feito - que é da pessoa por trás da máscara do herói, mas também foi quase revolucionário ao fazer com que Eddie March fosse quem estivesse por trás da armadura - antecedendo, em quase 10 anos, o que Denny O´Neil  viria a fazer com James Rhodes durante sua passagem pelo título do Homem de Ferro. É verdade que, depois desse arco inicial, March nunca mais voltou a ter um grande destaque na série, mas quando paramos para pensar nessa história dentro da época, não deixa de ser impressionante.

Afinal, para efeitos de comparação, o primeiro super-herói negro, o Pantera Negra, surgiu apenas quatro anos antes dessa edição - em Julho de 1966. Um  ano antes, era a vez da estreia do Falcão nas páginas da edição 117 do Capitão América - Setembro de 1969. Também em 1969, tivemos a aparição de Al B. Harper em uma belíssima história do Surfista Prateado, que causou uma grande comoção na seção de cartas da revista.

Uma vez dentro desse contexto, a afirmação de que a ideia de termos um negro por trás da máscara do Homem de Ferro é revolucionária na época, não soa assim tão exagerada.

 É verdade que muitas dessas coisas aconteceram - e não são muito comentadas - pelo fato do Vingador Dourado ser, na época, não ser um personagem tão popular quanto o Cabeça de Teia, apesar de sua grande relevância para o Universo Marvel. De fato, o Latinha só vai se tornar um personagem mais visível durante os fins dos anos 70, quando David Micheline e Bob Layton vão assumir os roteiros e dar uma nova guinada no mundo dos quadrinhos com a quase lendária "O Demônio na Garrafa" - tema este que eu pretendo abordar em uma outra postagem fora dessa lista. Mesmo assim, isso não tira, de forma alguma, o mérito desta história, e também mostra o quão afinada a Marvel se encontrava não só com o seu público, mas também com as importantes questões sociais do perído.


Em resumo, a Morte de Janice Cord é, em todos os aspectos, uma verdadeira pérola dos quadrinhos, e é uma pena que ela não tenha a mesma visibilidade e reconhecimento da sua "irmã" mais nova e mais lembrada.



E assim termina a quarta parte da nossa Saga de quase dois anos. Em um futuro indeterminado, pretendo trazer a parte final dessa seleção. Seja isso quando for, espero encontrar vocês por lá!